Prolinx

Blog / Informe-se

5 boas práticas para o trabalho em home office

Você sabe como manter a segurança das informações de uma empresa mesmo quando existem funcionários trabalhando em home office?

Dados recentes do IBGE indicam que, de 2017 para 2018, o home office bateu recorde no Brasil com cerca de 3,8 milhões de brasileiros trabalhando de casa. Em 2020, muitos que ainda não tinham feito essa mudança foram forçados a experimentá-la em razão dos impactos do novo coronavírus.

Novidade para sua empresa ou não, é importante conhecer boas práticas para evitar a ação de hackers, o vazamento de dados e outros problemas. Confira nossas 5 dicas!

#1 Oriente o uso de softwares de segurança

Quando o trabalho é realizado in loco, nos escritórios da empresa, já é necessário o uso de softwares de segurança, sendo o antivírus e o firewall aqueles que podem ser considerados como um “pacote básico”.

Em casa, se os funcionários utilizam equipamentos disponibilizados pela empresa, a orientação deve ser para que os softwares não sejam desinstalados ou desativados. Se os funcionários utilizam equipamentos próprios, a orientação deve ser para que os softwares sejam devidamente instalados.

Seja qual for o caso, é fundamental ter em mente que não se deve escolher entre antivírus ou firewall porque são ferramentas de proteção de dados complementares. Assim, ambas devem estar ativas para a segurança do trabalho em home office;

#2 Sinalize a importância das atualizações

Quer os funcionários estejam usando equipamentos da empresa ou equipamentos próprios no home office, é importante que seus sistemas e aplicativos estejam sempre atualizados.

Eventualmente, enquanto usamos um computador, notebook ou dispositivo móvel, recebemos uma notificação de que existe uma atualização disponível para o sistema ou para algum dos programas instalados.

Enquanto essas atualizações são executadas, o equipamento pode ficar indisponível. Isso é temporário, mas é uma realidade que faz muita gente deixar a atualização para outra hora, pensando em evitar interrupções no trabalho.

De fato, é possível fazer as atualizações mais tarde, mas é de extrema importância fazê-las. Mais do que apresentar novas funcionalidades, atualizações têm por objetivo corrigir falhas de segurança que expõem o equipamento a riscos. Em outras palavras, ajudam a evitar a ação de hackers e malwares.

Por isso, se um funcionário não quiser fazer uma atualização no meio de seu dia de trabalho, oriente-o para que não se esqueça de realizá-la tão logo faça uma pausa ou encerre seu dia;

#3 Avalie a instalação de softwares de monitoramento

Em maioria, os funcionários de uma empresa podem até ser bem entendidos quanto ao uso de tecnologias, mas não são necessariamente experts em segurança da informação.

Com isso em mente, é importante entender que comportamentos de risco podem acabar sendo seguidos ainda que não-intencionalmente.

Se a mudança para o home office acontecer em circunstâncias normais, há tempo para o estabelecimento de uma política de segurança e até para um treinamento que considere, entre outras questões, atitudes que colocam a segurança de dados em risco.

Esse tipo de informação também pode ser repassada se o home office se apresenta como necessidade em função de uma crise, como a do novo coronavírus. A mudança repentina, porém, pode complicar a situação.

Por isso, a adoção de softwares de monitoramento de rede que devem ser instalados nos dispositivos dos funcionários pode ser considerada.

Por meio desses programas, ainda que remotamente, é possível verificar se alguém está baixando arquivos de fontes inseguras ou se ocorre o acesso à servidores desconhecidos, por exemplo;

#4 Oriente o controle de dispositivos

Quando o home office se torna uma realidade, é dever da empresa buscar estabelecer canais de comunicação entre equipes, lideranças e setores.

É importante que a TI da empresa, por exemplo, esteja à disposição para tirar dúvidas e orientar os funcionários quanto ao uso de equipamentos e a segurança. Gestores, por sua vez, devem cumprir seu papel a favor do controle de dispositivos.

Imagine só que, para o home office, sua empresa providenciou a instalação de softwares de segurança e monitoramento em cada notebook entregue aos funcionários. Em casa, porém, um deles decide trabalhar usando o próprio equipamento porque está mais familiarizado.

Uma situação como essa pode ser um problema porque a empresa deixa de ter conhecimento sobre a adoção de medidas para evitar o acesso de terceiros aos seus dados;

#5 Conduza a rotina de backup

A falta de backup pode acarretar vários problemas para uma empresa. Já imaginou perder informações valiosas em decorrência de uma falha de segurança ou até mesmo um problema em um dos equipamentos?

Como solução, ainda há quem adote o uso de HDs externos, mas já existem soluções mais avançadas, seguras, econômicas e ainda, mais adequadas ao home office. É o caso do backup em nuvem, uma tecnologia que permite que as rotinas se mantenham mesmo com funcionários atuando remotamente, permitindo que a empresa mantenha sua garantia para a recuperação de dados em caso de algum revés.

Essas são dicas básicas de boas práticas de segurança da informação no home office que vão ajudar, sobretudo profissionais e empresas que recém-migraram para essa realidade ou que ainda não se preocupavam com a proteção de dados.

Quer aprender mais ou tirar dúvidas sobre o assunto? Envie uma mensagem para nossos especialistas e veja nosso tutorial em Home Office: Seus dados estão protegidos dos Coronavírus?

Leia mais...

CenturyTelecomDedic(feed)-min
Blog25_Wifi(feed)-min
CiscoIMATextil(feed)-min